Posts com Tag ‘Poluição’

Na última semana, a coluna de Ancelmo Góes afirmou que a Praia da Guanabara seria revitalizada, para alívio e alegria dos insulanos. Aproveitando a pesquisa histórica, o Blog do Insulano verificou se tal informação realmente era fato. Grata surpresa observar que muito já foi feito, e com apenas algumas iniciativas. Como exemplo, vale ressaltar o monumento ao Gato Maracajá, que já não apresenta nenhuma pichação, somente deterioração na cabeça da escultura; a areia e a beira da praia não acumulam tanto lixo e todo o asfalto do terminal rodoviário está em processo de substituição.

O calçamento do entorno já está sendo refeito, a limpeza do lugar já consegue surpreender.

E as novidades não se restringem a tais procedimentos. Segundo a página oficial do “Grupo de Amigos da Ilha” no Facebook, muito ainda está previsto antes da conclusão das obras: mesas de jogos serão instaladas no local, uma unidade da Academia da Terceira Idade funcionará nas proximidades e toda iluminação pública será reformulada. A obra conta com o apoio da Secretaria de Conservação, da Qualidade de Vida e Envelhecimento, da Rio Luz, da Supply Brasil e dos Transportes Paranapuan.

Nenhuma pichação aparente, um visual muito mais limpo, e o projeto prevê muito mais.

São essas pequenas e imprescindíveis iniciativas que incentivam e estimulam o trabalho do Blog, mostrando que o progresso é possível quando existe um mínimo de zelo e atenção. Afinal de contas, a história que se apresenta aqui somente é possível com um primeiro passo. Logo, valorizar uma herança tão rica e democrática é obrigação de todo insulano. As futuras gerações agradecem!

* Todas as fotografias presentes no post são de autoria de Rafael Vieira.

Anúncios

Um pouco sobre a Ribeira…

Publicado: 14 de setembro de 2011 em Histórico, Notícias, Ribeira
Tags:, ,

Em um dos limites da Ilha e com um tempo extremamente instável, a Ribeira apresenta-se grandiosa e, por vezes, conformada. Por encontrar-se relativamente distante, o bairro consegue ser mais calmo e bucólico que outras regiões vizinhas. Entretanto, toda reclusão possui um preço e, nesse caso, o pouco desenvolvimento que nota-se demonstra que as grandes iniciativas não contemplam o lugar. Bom ou ruim? Tendo em vista os pacatos e despreocupados moradores da região, parece ser o suficiente o que possuem.

Contemplado por duas praias, a Ribeira encanta por sua tranquilidade...

Ainda que ausente de perspectivas, a Ribeira é um dos lugares mais valorizados da Ilha, com duas praias em sua extensão – a Praia da Ribeira e da Engenhoca – e construções históricas. A única ressalva, como sempre, são os esgotos a céu aberto (facilmente encontrados nas areias da orla) e a degradação perene das antigas construções. Ainda assim, algumas casas a beira mar, por exemplo, remetem à outra ilha, a de Paquetá, com todo o charme e elegância que lhes é peculiar!

Esgotos a céu aberto, facilmente encontrado em todas as praias da Ribeira, infelizmente...

A Igreja da Sagrada Família, majestosa no alto do Morro D’Ouro, transmite paz e tranquilidade a quem se arrisca à caminhada. Datada de 1913, a construção envia à lugares impensáveis para uma metrópole, fazendo com que os moradores sintam-se verdadeiros turistas! Lá de cima, a vista da orla e a insistente vegetação remanescente compõem um quadro de surpreendente beleza… Algumas maritacas também celebram a chegada de eventuais visitantes, devidamente saudados por seus grunhidos estridentes! Foi o único momento em que o silêncio dissipou-se…

No alto do Morro D'Ouro, a Igreja da Sagrada Família, de 1913.

Era lá que, antigamente, as barcas partiam rumo à Praça XV (atualmente a estação localiza-se no aterro do Cocotá). No local, a gastronomia seduz os frequentadores a um momento de descanso e, é claro, satisfação! Com preços acessíveis e convidativos, os restaurantes são especializados em frutos do mar, mas também é possível encontrar do tradicional rodízio de pizza ao galeto. Abrigando o terminal rodoviário do bairro (bem menos movimentado do que o Bananal, o Cacuia e a Estrada do Galeão), a Praça Iaiá Garcia – com um imenso chafariz no centro – oferece distração com vista para o mar!

No centro do bairro, a Praça Iaiá Garcia - distração, calma e diversão com vista para o mar!

* Todas as fotos presentes no post são de autoria de Rafael Vieira e foram modificadas através de programas de edição.

Em um primeiro momento, a intenção é relatar as belezas da Ilha do Governador, o histórico, o quanto faz bem. Mas um problema que não pode passar despercebido é a poluição – e resultante mau cheiro – das praias da Ilha. Lamentável observar um oásis se degradando, padecendo aos olhos de pessoas que pouco (ou nada) se importam com o problema. Há alguns meses, Wagner Victer, presidente da Cedae, mencionou que em dois anos as praias insulanas estariam aptas para banho. Só para contextualizar, tal declaração se deu após a verificação dos coliformes fecais presentes em amostras das águas, que foi o melhor resultado em 30 anos. Entretanto, é mais que notório conceber que essa realidade, apesar de plausível, está extremamente distante do fato a curto prazo. Então, é um problema exclusivo das autoridades e órgãos públicos o restabelecimento? Como já diz o velho jargão, antes de mudar o mundo, é imprescindível que mude a si mesmo. Portanto, é uma questão de conscientização, de mobilização geral, e não somente do instrumento idealizador do projeto.

Um dos menores índices de poluição foi registrado na Praia da Bica, no Jardim Guanabara.

 
Além da iniciativa da própria Cedae, outro projeto que está proporcionando a melhoria das águas das praias é a construção da “Nova Ponte Estaiada”, que tem como premissa ligar a Ilha do Fundão à Linha Vermelha, com o objetivo de amenizar o fluxo de conduções que aglomera-se na saída da Ilha. Drenagem das águas já está sendo feita e, até o momento, mais de 1,8 milhão de material poluente já foi retirado do fundo da Baía. Além disso, a Secretaria do Ambiente pretende transformar a ponte em mais um cartão postal da cidade. O prazo para o término da primeira parte do projeto (que é a conclusão da passagem), é para o final de outubro de 2011.
 

De um lado, os principais pontos turísticos da cidade. De outro, mal cheiro e abandono.

Victer menciona que, em alguns anos, irá voltar a banhar-se nas águas da Ilha do Governador, lembranças sublimes de sua infância. As crianças insulanas aguardam, ansiosas, a primeira oportunidade para tal.

* Todas as fotos presentes do post são de autoria de Rafael Vieira.