Posts com Tag ‘Bananal’

Na última semana, a coluna de Ancelmo Góes afirmou que a Praia da Guanabara seria revitalizada, para alívio e alegria dos insulanos. Aproveitando a pesquisa histórica, o Blog do Insulano verificou se tal informação realmente era fato. Grata surpresa observar que muito já foi feito, e com apenas algumas iniciativas. Como exemplo, vale ressaltar o monumento ao Gato Maracajá, que já não apresenta nenhuma pichação, somente deterioração na cabeça da escultura; a areia e a beira da praia não acumulam tanto lixo e todo o asfalto do terminal rodoviário está em processo de substituição.

O calçamento do entorno já está sendo refeito, a limpeza do lugar já consegue surpreender.

E as novidades não se restringem a tais procedimentos. Segundo a página oficial do “Grupo de Amigos da Ilha” no Facebook, muito ainda está previsto antes da conclusão das obras: mesas de jogos serão instaladas no local, uma unidade da Academia da Terceira Idade funcionará nas proximidades e toda iluminação pública será reformulada. A obra conta com o apoio da Secretaria de Conservação, da Qualidade de Vida e Envelhecimento, da Rio Luz, da Supply Brasil e dos Transportes Paranapuan.

Nenhuma pichação aparente, um visual muito mais limpo, e o projeto prevê muito mais.

São essas pequenas e imprescindíveis iniciativas que incentivam e estimulam o trabalho do Blog, mostrando que o progresso é possível quando existe um mínimo de zelo e atenção. Afinal de contas, a história que se apresenta aqui somente é possível com um primeiro passo. Logo, valorizar uma herança tão rica e democrática é obrigação de todo insulano. As futuras gerações agradecem!

* Todas as fotografias presentes no post são de autoria de Rafael Vieira.

Anúncios

Ainda sem alvoroço e observada com muita cautela, uma nota foi publicada no blog de Ancelmo Góes, colunista do Jornal O Globo, mencionando que, em breve, a Pedra da Onça, na Praia da Guanabara, será reformada. A subprefeitura irá restaurar o monumento, apagando as pichações da estátua, além de limpar as adjacências. Com toda segurança, é uma notícia mais que bem vinda e aguardada por todos os insulanos há décadas. A imagem é, sem dúvidas, um dos principais símbolos culturais da Ilha do Governador, fornecendo ao cenário um toque de misticismo e veneração.

Projeto prevê a restauração da Pedra da Onça, um dos maiores símbolos da cultura insulana.

Segundo alguns estudiosos, uma índia que morava na região adotou um gato selvagem (muito parecido com uma onça quando adulto, daí o nome da escultura) e todos os dias o levava em suas caminhadas pela orla. A principal distração da nativa era pular da pedra para o mar. Em dado momento, a índia mergulhou e não voltou mais. Seu animal de estimação, fiel, lá permaneceu a sua espera, dias a fio, até morrer de fome. Esse conto, não confirmado pelos historiadores, inspirou um grupo de moradores, na década de 20, a perpetuar a história. 45 anos após, o monumento, já bastante castigado pela ação do tempo, foi substituído por um outro, que lá se encontra até os dias de hoje.

A coluna esclarece que o entorno também será contemplado. Justo empenho para uma das áreas mais bonitas da Ilha.

* Todas as fotografias presentes no post são de autoria de Rafael Vieira.

Final da tarde de um domingo ensolarado, um passeio nas margens da praia a alguns minutos de casa. Programa light, gostoso mesmo, muito agradável! Muita história, um clima ameno e, por mais que haja a proximidade de casa, pessoas diferentes e surpreendentes! Lindo lugar, rico em histórias e tradições, e sujeira, muita sujeira…

A Praia da Guanabara, no Bananal. Final de percurso para os insulanos.

Essa é a realidade do Bananal, último bairro da Ilha do Governador. É como uma velha senhora, linda naturalmente, suplicando por uma atenção maior de seus contemporâneos. César Maia, nos passados anos 90, havia anunciado que a orla seria remodelada e que devolveria a imponência da Praia da Guanabara, com o advento do Projeto Rio – Cidade. Infelizmente, ficou no papel e observa-se grande beleza a cada dia deteriorando-se mais e mais. Todavia, o céu limpo e o cais não deixam perder a esperança e, sobretudo, o orgulho de viver em um lugar tão bonito.

Crepúsculo insulano: Ponte Rio-Niterói, Pão de Açúcar e Corcovado do outro lado da Baía.

A Pedra da Onça – Conta a lenda que, nos primórdios da Ilha do Governador, o local onde hoje é o Bananal era povoado, principalmente, por gatos selvagens – ou maracajás – e índios. Dois personagens, especificamente, dão o tom aos dias longínquos: uma nativa que todos os dias banhava-se nas calmas águas da Baía da Guanabara e seu gato de estimação eram protagonistas de uma das amizades mais marcantes de toda uma época. Enquanto ela tomava seus demorados banhos, o gato a espreitava de cima de uma grande pedra, a frente do mar.  

De cima da pedra, a onça observava a índia banhar-se. Ali ficou até morrer.

 
Em dado momento, a índia mergulhou e não mais retornou à superfície. Seu gato, fiel, não arredou pé do lugar e lá permaneceu até morrer. Por isso, em homenagem a tão bonita história de amizade, uma réplica do gato – que assemelha-se a uma onça, daí o nome – foi construída no local. A imagem é datada da década de 20, entetanto, devido ao desgaste natural, a estátua foi substituída em 1965.
 
 

A onça, solitária, guarda o lugar até os dias de hoje. Fiel, pra sempre.

 * Todas as fotos presentes no post são de autoria de Rafael Vieira e foram envelhecidas através de programas de manipulação de imagens.